Share

Ousa Pensar! Edição 2025

 

Ciclo de conferências para as escolas

A 5.ª Edição do ciclo de conferências para as escolas decorrerá de janeiro a março de 2025.

Seis convidados dinamizarão sessões com exploração de temáticas diversas, ainda que partilhem o intuito de continuar a desafiar os jovens alunos a pensar e a discutir filosoficamente sobre situações e interpelações do quotidiano.

 

SESSÕES

Sessões a realizar às terças e quintas-feiras, a partir das 10h00 ou das 14h30.

Cronograma a definir até ao final do próximo mês de setembro.

 

Consulte as indicações para a inscrição da sua escola.

Inscrições AQUI (as inscrições serão abertas após a definição do cronograma de todas as sessões)

 

PROGRAMA

Sessão 1 | janeiro de 2025 |

Artur Galvão

 

Esta Sessão está cancelada?! Isso é maquiavélico!

O que é a cultura do cancelamento? Para que serve? Devemos preocupar-nos com este fenómeno? Estas são algumas das questões que se pretenderá responder ao longo desta conferência. A expressão “cultura do cancelamento” começou a entrar no vocabulário ocidental no final da primeira década do século XXI e foi, com o tempo, adquirindo significados muito distintos e antagónicos. A expressão traduz uma forma de domínio e imposição dos valores de grupos específicos? Ou, pelo contrário, traduz a noção de uma cultura das consequências que responsabiliza as palavras e ações usadas num espaço público cada vez mais plural e inclusivo? O problema é premente e complexo e o olhar para pensadores do passado poderá ajudar na compreensão deste fenómeno e no modo de lidar com ele.

 

Sessão 2 | janeiro de 2025 | 14h30

António Paulo Costa

Será verdade que a verdade acabou?

Suponhamos que adotamos uma posição filosófica cuja tese principal é «A verdade não é importante». É uma posição legítima como outra qualquer. Mas perguntemo-nos: será esta tese verdadeira? Se defendermos que a tese é verdadeira, caímos numa contradição – afinal, a verdade sempre é importante, pois até a estamos a defender; mas se nos pusermos a defender que aquela tese é falsa, então a sua negação é verdadeira – e, afinal, a verdade é importante. Em qualquer caso, a verdade conta. Muitos filósofos defenderam que a comunicação verbal humana tem de partir do princípio de que quando falamos uns com os outros estamos, na maior parte dos casos, a dizer verdades e a ser sinceros. Se não fosse assim e se a mentira fosse a regra, não comunicaríamos uns com os outros, dado que seria inútil fazê-lo. Ora, as redes sociais e mesmo alguma comunicação tradicional tornaram-se no maior mecanismo de difusão de falsidades na era atual. Será verdade que a verdade acabou? Ao longo da sessão discutirei as respostas a esta pergunta, escrutinando, de um ponto de vista filosófico, as estratégias principais de manipulação de massas que podemos observar nas redes sociais e propondo formas de lhes reagir eficazmente.

 

Sessão 3 | fevereiro de 2025 |

David Erlich

A filosofia tem drip – a extraordinária vida dos filósofos

A partir do livro “A bebedeira de Kant – e outros 49 episódios da história da filosofia para pensar a sorrir”, da sua autoria, o professor David Erlich evidenciará que a vida dos filósofos está repleta de episódios inesperados, simbólicos do valor incontornável do pensamento livre.

 

Sessão 4 | fevereiro de 2025 |

Nuno Fadigas

O que é arte? Uma questão com tanto de difícil quanto de incontornável

As várias respostas ao problema de saber o que é arte, categorizadas em mais do que um tipo de definição, dão-nos conta da dificuldade que inere à questão.

Quaisquer que sejam os resultados desta indagação, é imperativo continuar a ousar pensar o problema da definição de arte.

 

 

Sessão 5 | março de 2025 |

Luís Veríssimo

Título

A disponibilizar

Resumo

A disponibilizar

 

Sessão 6 | março de 2025 |

João Rebalde

Título

A disponibilizar

Resumo

A disponibilizar

 

DINAMIZADORES

Artur Ilharco Galvão é docente na Faculdade de Filosofia e Ciência Sociais, da Universidade Católica Portuguesa – Braga. Integra a direção da Revista Portuguesa de Filosofia e o Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos. Entre outras, leciona as unidades curriculares de Epistemologia, Filosofia da Ciência e Filosofia da Linguagem.

 

António Paulo Costa é professor no Agrupamento de Escolas de Miranda do Corvo (Coimbra). É licenciado em Filosofia – Ramo de Formação Educacional, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, desempenhou funções no Gabinete de Avaliação Educacional e no IAVE, I.P. e foi formador de professores acreditado pelo CCPFC nas áreas da Didática e da Avaliação das Aprendizagens em Filosofia. É ex-membro da Direção da Sociedade Portuguesa de Filosofia e co-fundador do Centro para o Ensino da Filosofia da SPF.

 

David Erlich

Licenciado em Ciência Política com minor em Filosofia, Mestre em Filosofia e Mestre em Ensino de Filosofia, com menção no Quadro de Mérito da NOVA FCSH, instituição em que cursa o Doutoramento em Filosofia. Antes de iniciar a carreira docente em 2017, estando ao serviço do Ministério da Educação desde 2019, em acumulação com uma escola do setor particular, trabalhou seis anos no setor da animação socioeducativa em contexto escolar. Participou em diversas publicações e encontros sobre Filosofia e Educação, nomeadamente a conferência académica “Wonder, Education and Human Flourishing”, na Universidade Livre de Amesterdão. Mantém o canal de YouTube “A Tua Filosofia”.

 

João Rebalde é Investigador do Instituto de Filosofia da Universidade do Porto e investigador responsável do projeto “Será que Deus conhece os contingentes? A origem da doutrina da ciência média no século XVI”, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia. A sua atividade de investigação centra-se nas áreas da Filosofia Antiga, da Filosofia Medieval e do início da modernidade, da Ética, da Filosofia da Natureza e da Filosofia da Tecnologia. No âmbito destas áreas tem apresentado numerosas conferências e é autor de várias publicações.

 

Luís Veríssimo é doutorado em Filosofia na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Investigador do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. Publicou artigos de Filosofia em revistas internacionais de especialidade. É autor de manuais escolares do Ensino Secundário das disciplinas de Filosofia e Psicologia, bem como de materiais didáticos. Leciona cursos de formação em Lógica, Ética, Metafísica e Filosofia da Religião.

 

Nuno Fadigas é licenciado em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e mestre e doutor em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. É formador de professores na área da Filosofia e leciona atualmente no ensino secundário.

 

SESSÕES E INSCRIÇÃO DAS ESCOLAS

 

Sessões

Com uma hora de duração, incluindo cerca de 15 minutos para debate, as sessões decorrem por videoconferência, na plataforma Zoom.

Presença de até 10 escolas por sessão em simultâneo. Cada escola definirá a organização interna, com possibilidade de até 8 acessos por cada escola.

 

Organização e inscrição

As escolas serão informadas da efetivação da reserva após 30 de novembro de 2024. Poderão ser aceites novas inscrições após essa data, em função do número de reservas efetivadas.

 

A inscrição é gratuita para as escolas participantes.

 

Toda a logística inerente à articulação com os palestrantes e aos procedimentos na plataforma Zoom é da responsabilidade da Apf. O envio do acesso a cada sessão é efetuado entre 48 a 24h antes da respetiva sessão.

 

À escola compete assegurar a logística local: ligação à Internet, qualidade do som em sala e a forma de fazer chegar as questões aos palestrantes. Chat da Zoom disponível para alunos e professores acompanhantes ao longo de toda a sessão.

 

Inscrições até 30 de novembro de 2024

Acesso para as inscrições a disponibilizar.

 

Related Posts

Comments are closed.