Ensaio Filosófico

CONCURSO ENSAIO FILOSÓFICO NO ENSINO SECUNDÁRIO

Ensaios vencedores do concurso:

Questões de género

Ao refletir sobre o tema das questões de género, torna-se evidente a complexidade e ambiguidade do conceito de género, bem como a maneira como as suas particularidades contribuem para uma diversidade de desafios e conflitos, nomeadamente discriminatórios. No fundo, as questões de género são uma questão de direitos humanos. O presente ensaio trata a questão da natureza do género, apresenta e defende uma teoria que encara o género como um espetro moldado por fatores biológicos e socioculturais, uma construção adquirida, não-binária e fluida. Examina ainda as implicações emergentes desta definição e a forma como se deve refletir na nossa sociedade.

O que faz alguém homem ou mulher? Existirá uma essência de género?

O que faz de alguém homem ou mulher? Existirá uma essência de género? São estas as perguntas a que este ensaio procura responder. Partimos de uma definição dos conceitos de sexo e género para em seguida colocar a questão de saber se existe uma essência de género. Mostramos que, a resposta a esta questão está ligada às lutas dos movimentos feministas pela igualdade e que tem implicações no modo como o género tem vindo a ser entendido.

Questões de género

Este ensaio pretende destacar a importância da realização de uma reflexão consequente para promoção da igualdade de género como um princípio ético fundamental para a construção de uma sociedade e mundo justos. Através de exemplos atuais, apresenta o problema da (des)igualdade de género, que considera ser um dos maiores desafios face à garantia dos direitos humanos, argumentando com base nos princípios da DUDH, na teoria da justiça de Rawls e nas formulações da ética kantiana. Seguidamente, analisa contra-argumentos, nomeadamente as objeções do feminismo e relativismo moral.

Será a guerra preventiva legítima?

Norteado pela questão “Será legítimo um país iniciar uma guerra preventiva?”, este ensaio apresenta e defende a perspetiva de Kant, contrastando com a tese de Michael Walzer. Apresentadas as posições de Kant e Walzer, segue-se, então, uma análise da Guerra ao Terror, da Guerra da Ucrânia e Rússia e da Guerra dos Seis Anos face às perspetivas dos mesmos. No final conclui-se que nem a guerra preventiva, nem a guerra preemptiva são legítimas, porque recorrem ao uso da força/violência e não da diplomacia (razão e constituição) para resolver um conflito. Os conflitos devem, entre seres racionais, ser sempre resolvidos através da razão (por meio de acordos, tratados).

Deus existe?

Serão a terapia genética e a engenharia genética de melhoramento moralmente aceitáveis?

Neste ensaio filosófico abordarei questões éticas relacionadas com a terapia genética e a engenharia genética de melhoramento, tendo em conta critérios tais como a prevalência de benefícios sobre os riscos, a dignidade da pessoa humana e a justiça distributiva. Pretendo também demonstrar, através dos critérios já descritos, as razões pelas quais a terapia genética deve ser considerada moralmente aceitável, mas não a engenharia genética de melhoramento.

Liberdade individual na sociedade do século XXI. A importância da posição original na definição dos princípios de justiça em John Rawls

Apesar do progresso da democracia, que instituiu formalmente os atuais princípios de dignidade, igualdade, solidariedade, justiça e preservação da liberdade, o sentimento de que há uma usurpação da liberdade concreta e material dos indivíduos continua a ser uma realidade. 

A consciência desta situação existe, mas é talvez mais raro o questionamento sobre a sua origem. A análise de teorias que incidem sobre a combinação de factos que poderão estar na origem desta realidade – em que a liberdade individual é constantemente posta em causa – permite ter uma perceção mais profunda do conceito de justiça e da sua aplicação nas sociedades do século XXI.

Uma encruzilhada para o séc. XXI – Tecnologia e Humanidade
por Thomas Childs

A evolução acelerada da tecnologia nas primeiras décadas do século XXI demonstra que esta questão continua sem resposta, apesar da sua enorme importância para a humanidade. Neste trabalho, pretendo examinar os contornos deste debate, procedendo tanto à exposição de ideias gerais sobre a relação entre a humanidade e a tecnologia como de exemplos específicos de tecnologias recentes e das suas potenciais consequências para os seres humanos e a sua relação com o mundo em que vivem. Pretendo, também, argumentar que uma resposta adequada nunca poderia partir da ciência per se, mas apenas de um domínio onde as operações e as limitações da ciência se podem perspetivar e analisar: o domínio da filosofia.

A obra de arte e limites ético-políticos
por Ana Margarida Simões

Na génese deste ensaio filosófico está o problema ”Deve a obra de arte conter uma dimensão ético-política que imponha limites à liberdade de expressão do artista?”, cujo conteúdo abarca diversas disciplinas da Filosofia, como a Estética (mais especificamente a Filosofia da Arte), a Ética e ainda a Filosofia Política. Nos últimos tempos, vários são os acontecimentos que nos têm feito questionar acerca dos limites da liberdade de expressão do artista ou sobre o caráter ético que a Arte deve assumir, pelo que o problema apresentado revela ainda mais importância perante a conjuntura atual e torna urgente uma reflexão filosófica.

NOTÍCIAS

Veja aqui todas as noticias APF mais recentes.

VER NOTÍCIAS

EVENTOS

Com carácter científico e didático, dirigidos a especialistas ou ao grande público, os eventos da Apf incluem seminários, palestras, ciclos temáticos, ações de formação creditada e cafés com filosofia.

CONHEÇA OS EVENTOS

RECURSOS

A Apf criou uma área de recursos para professores, estudantes e outros interessados na Filosofia.

VER RECURSOS